Manual da DGS: Alimentação Saudável

Esta semana foi lançado um novo manual da Direcção-Geral de Saúde com Linha de Orientação para profissionais e educadores para crianças dos 0 aos 6 anos que podem consultar aqui.

Alimentação Saudável nos Berçários final_08outubro_alteraçõescarlarego-1

O manual chama a atenção para alguns pontos importantes, deixo aqui os pontos positivos que destaco:

Introdução: 

  • A introdução refere e justifica novamente a importância da alimentação nos primeiros anos de vida para o desenvolvimento da criança e a influência para a sua vida.
  • Os primeiros anos de vida são determinantes para a aquisição e sedimentação de hábitos alimentares saudáveis, mas também na expressão máxima do potencial individual de crescimento e de desenvolvimento neurocognitivo e ainda na modulação individual do risco de doenças crónicas do adulto, nomeadamente da doença cardiovascular, diabetes e cancro, entre outras.

Necessidades nutricionais

  • As “necessidades nutricionais” têm como objetivo último garantir o alcance do máximo potencial genético e minimizar o risco de doença, quer de imediato quer a longo prazo.
  • O incumprimento das necessidades nutricionais, traduzido pelo excesso ou défice do aporte calórico tem repercussões a curto prazo (ao comprometer o crescimento e o desenvolvimento harmoniosos), mas também a longo prazo, ao hipotecar a saúde futura

1º ano:

  • O leite materno, em exclusivo, é o alimento ideal para suprir as necessidades nutricionais do lactente nos primeiros seis meses de vida.
  • O ato de amamentar e o leite materno de per si têm vantagens que ultrapassam a mera alimentação /nutrição.
  • O recém-nascido deve iniciar a amamentação na primeira meia hora de vida e manter o aleitamento materno exclusivo, sempre que possível, até ao mais próximo possível do 6º mês.
  • Durante o primeiro semestre de vida, caso o leite materno se torne insuficiente, a alimentação deve continuar a ser exclusivamente láctea, devendo utilizar-se, em complementaridade ou em alternativa, fórmulas infantis, cuja composição é concebida para se aproximar à do leite humano
  • A partir dos seis meses de vida é essencial a introdução progressiva de outros alimentos, além do leite materno.
  • Devem ser oferecidos ao lactente apenas alimentos que integram a cadeia alimentar e a “roda dos alimentos”.
  • Pode iniciar-se a diversificação alimentar pelo creme de legumes ou papa de cereais com glúten. O início pelo creme de legumes tem como vantagem proporcionar um maior treino de paladar/ texturas e oferecer um menor
    valor energético.
  • A alimentação durante o 1º ano é de extrema importância, pois molda as preferências, mas também a saúde/doença para a vida (programação comportamental e metabólica).
  • A ingestão de lípidos deve corresponder a 40% do valor energético total diário, uma vez que estes são constituintes fundamentais das membranas celulares, da retina e do sistema nervoso central.
  • A ingestão de sal (de adição) está contraindicada no 1º ano de vida.

2º e 3º ano:

  • A identidade cultural deverá ser respeitada, pelo que o cumprimento das necessidades nutricionais poderá ser obtido através de diversos padrões alimentares.
  • Aos 12 meses a criança é integrada na rotina e no plano alimentar da família. O exemplo e as escolhas familiares e da escola são determinantes na modelação do comportamento alimentar. Não mande fazer: faça! Seja um exemplo!
  • Deverão ser respeitados os sinais de autoregulação do apetite de cada criança, competindo aos educadores a aposta na diversidade.
  • Os hidratos de carbono devem ocupar 45-60% e os açúcares livres não devem exceder os 5% do valor energético total. São açúcares livres todos os adicionados aos alimentos e/ou bebidas e os açúcares naturalmente presentes em alimentos como mel, xaropes e sumos de fruta. O consumo excessivo de frutose (que não a da
    fruta fresca inteira) está associado a doença hepática não alcoólica, já em idade pediátrica.
  • Os lípidos devem corresponder a 35-40% do valor energético total, com um valor máximo de 8% para a gordura saturada e de 1% para os ácidos gordos trans (presentes em alimentos processados). É relevante manter uma razão adequada dos ácidos gordos ómega-6/ómega-3 pelo que para além dos ómega -3 provenientes do peixe devemos ingerir os que provem de frutos secos.
  • A ingestão proteica recomendada oscila entre os 0,8-1,2g/kg/dia, devendo ser privilegiada a proteína de alto valor biológico (carne, ovo, peixe, leite), sem descurar a oferta de proteína vegetal.
  • Deverá ser tida em especial atenção a adequação do aporte de ferro, de cálcio e de vitamina D, devendo ser evitada a adição de sódio (sal) aos alimentos.

Dos 3 aos 6 anos:

  • O comportamento da criança é moldado por contextos próximos (família e escola), condicionados por contextos sociais mais alargados. A criança aprende por imitação e exploração.
  • Entre os 3-6 anos (idade pré-escolar) as crianças necessitam dos mesmos nutrientes, mas em quantidades menores por kg de peso corporal do que as crianças nos primeiros 2 anos de vida.
  • Deve ser limitada a ingestão de açúcares de adição ou de açúcares presentes em alimentos como mel, xaropes, sumos e concentrados de fruta. O consumo de frutose (que não a presente naturalmente na fruta fresca inteira) está associado a doença hepática grave, já em idade pediátrica.
  • A partir desta idade, as recomendações relativas a lípidos já são menores (20 a 35% do total energético diário) comparativamente às observadas para os 1º e 2º anos de vida.
  • Deve privilegiar-se a proteína de alto valor biológico (carne, ovo, peixe, lacticínios), sem esquecer a oferta de proteína vegetal.
  • O leite e derivados são indispensáveis como fonte de cálcio e de outros minerais, mas não devem ser consumidos em quantidades excessivas (até 400-500 ml / dia), com o risco de dar origem a uma ingestão excessiva de proteína. O leite não deve ser confundido com uma bebida, já que é um alimento, pelo que deve ser consumido apenas nas refeições em que é recomendado (pequeno-almoço e lanches).
  • As necessidades em micronutrientes por kg de peso corporal são mais elevadas do que as do adulto (para fazer face ao crescimento) mas em valor absoluto diário são inferiores.

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: